Quinta-feira, 21 de Junho de 2018
menu
15 de fevereiro de 2017

Angola mantém liderança na produção

Angola produziu em Janeiro 1,615 milhões de barris de petróleo por dia, número que representa uma quebra mensal de 24 mil barris por dia, e superou a Nigéria que, de acordo com a tabela baseada em comunicação directa, produziu apenas 1,604 milhões de barris por dia, um acréscimo mensal de 233,7 mil barris por dia. Tendo por base a comunicação directa, Angola produziu no ano passado 1,708 milhões de barris por dia, número que excede a produção nigeriana de 1,447 milhões de barris por dia. Fontes secundárias revelaram que Angola produziu em Janeiro mais petróleo do que a Nigéria – 1,651 milhões de barris por dia, menos 23,2 mil barris por dia face a Dezembro de 2016, contra os 1,576 milhões de barris por dia produzidos pelos nigerianos, que produziram mais 101,8 mil barris por dia do que em Dezembro.

Angola também ultrapassou a Nigéria em 2016, no que se refere à produção baseada em fontes secundárias, com uma produção de 1,73 milhões de barris por dia, contra 1,577 milhões de barris por dia dos nigerianos. A quebra verificada na produção petrolífera da Nigéria, que já foi o principal produtor de petróleo em África, deve-se à ocorrência de atentados contra as instalações produtoras, bem como aos oleodutos que transportam o produto para os portos.

No primeiro semestre do ano passado, Angola ultrapassou a Arábia Saudita e manteve uma forte pressão sobre a Rússia. Só no mês de Julho, a China importou 4,72 milhões de toneladas de petróleo de Angola, ou seja, 1,11 milhões de barris por dia, número que representou um crescimento homólogo de 23,3 por cento.  No decurso dos sete primeiros meses do ano, as importações chinesas de petróleo angolano aumentaram 18 por cento para 26,94 milhões de toneladas, ou 923,2 mil barris de petróleo por dia, fazendo de Angola o terceiro maior fornecedor, depois da Arábia Saudita e da Rússia.

Em Julho teve lugar uma procura maior por petróleo de Angola, face ao russo, devido ao facto de o petróleo angolano permitir a obtenção de uma quantidade menor de produtos leves por barril, proporcionando às refinarias maior quantidade de combustíveis tradicionais.  Até Junho, o país era o terceiro maior fornecedor de petróleo da China, depois da Arábia Saudita e da Rússia, de acordo com o relatório mensal do mercado petrolífero, elaborado pela Organização dos Países Produtores de Petróleo (OPEP).

Os três países foram responsáveis por 10 por cento, 18 por cento e 13 por cento dos fornecimentos, tendo a China importado da Arábia Saudita, no período em análise, mais 151 mil barris de petróleo por dia, de Angola mais 175 mil barris por dia e da Rússia menos 236 mil barris por dia.  O Irão aparece em quarto lugar, tendo aumentado o montante de petróleo fornecido à China em 161 mil barris, relativamente ao número contabilizado em Maio.

Notícias

15 de junho de 2018
Angola e Coreia do Sul acordam elevar cooperação parlamentar

As repúblicas de Angola e da Coreia do Sul acordaram elevar as relações bilaterais, na perspectiva de acompanhar a dinâmica da cooperação ao nível dos governos dos dois países do domínio parlamentar.


15 de junho de 2018
Empresas francesas atraídas pelo investimento em Angola

O interesse dos investidores franceses por Angola aumentou com a recente  deslocação do Presidente da República, João Lourenço, àquele país, o  que é traduzido com a presença de cerca de 150 empresas das mais  representativas do sector agrícola e industrial num  encontro organizado  em Paris pelo patronato, no qual se esperavam inicialmente 60  participantes.


15 de junho de 2018
A Língua Portuguesa em Nós” patente ao público em Luanda

A exposição “A Língua Portuguesa em Nós”, patente ao público desde  quarta-feira, no Centro Cultural Brasil-Angola, na Baixa de Luanda,  inclui actividades paralelas para todas as idades.


5 de junho de 2018
Estrangeiros estão convidados a concorrer nas privatizações

O Executivo está a preparar a privatização total ou parcial de  algumas grandes e médias empresas públicas já seleccionadas, incluindo  do sector petrolífero, das telecomunicações e outros, revelou ontem, em  Bruxelas, o Presidente João Lourenço.


AngolaConsuladoServiçosComunicadosAudiências
Audiências
x
*
*
*
*
*