Terça-feira, 9 de Março de 2021
menu
19 de fevereiro de 2021

CPLP chega a acordo sobre proposta para a mobilidade

Os Estados-membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) chegaram, ontem, a consenso quanto à proposta final sobre mobilidade dos cidadãos no espaço lusófono, anunciou o embaixador de Cabo Verde, país que detém a presidência da organização.

Segundo o embaixador Eurico Monteiro, a VI Reunião Técnica Conjunta sobre Mobilidade na CPLP, que começou na quarta-feira por video-conferência e que tinha uma duração prevista de três dias, terminou ontem, ao final da manhã, "com o consenso de todos os Estados" sobre o texto final da proposta de mobilidade que deverá ser aprovada no próximo Conselho de Ministros extraordinário, a realizar no final de Março, mas ainda sem data definida.
Em causa estavam três pontos de divergência entre os países lusófonos. Dois dos assuntos - a certificação das ordens académicas e profissionais e as contribuições dos cidadãos para a Segurança Social - vão ser determinados pelos regulamentos internos dos Estados.Já em relação às taxas e emolumentos dos títulos de mobilidade, os Estados-membros decidiram, por consenso, definir um "tecto máximo", adiantou o diplomata cabo-verdiano.

"Nós podíamos ter uma solução, que era dizer: não regulamos estas matérias e cada Estado regula conforme entender. Mas não queremos deixar isto assim e queremos fazer um esforço de conseguir aquilo que é possível”, tinha dito, em declarações anteriores à Lusa, Eurico Monteiro.Em relação aos títulos, ou vistos, de mobilidade, nos instrumentos multilaterais foi aprovada a regra da supressão das taxas, ou seja, estes documentos deverão ser gratuitos, só se podendo cobrar o custo do impresso. No entanto, alguns Estados-membros, "com algumas dificuldades financeiras", expressaram relutância em abdicar desses valores.

O consenso a que se chegou foi o de definir um valor máximo. Já no que respeita aos títulos académicos, o problema residia no facto de, em alguns casos, as competências para a sua atribuição caberem às organizações profissionais e não aos Governos ou órgãos legislativos.O diplomata apontou como exemplo o Brasil, onde as certificações profissionais cabem às ordens profissionais e estas até têm "assento constitucional”. "Há uma disparidade de regimes jurídicos internos e nós temos de arranjar uma norma conformadora. Porque nós gostaríamos que a mobilidade dos cidadãos pudesse corresponder à mobilidade dos títulos académicos, para ter maior efectividade”, comentou.

Já em relação à Segurança Social, o diplomata apontou o exemplo de alguém que vive em Angola, onde desconta para a Segurança Social e que depois faz a mobilidade e vem residir em Portugal. "A boa mobilidade diz que não deve começar de novo, perdendo aquilo que já tinha", sublinhou o diplomata cabo-verdiano.

Mas para que esse cidadão não perca o que descontou até ali é preciso que se crie "um esquema de exportabilidade desses créditos de Segurança Social", sublinhou.Além disso, é necessário que as entidades do país onde residia e daquele para onde vai viver se entendam, para se perceber como vai ser a pensão, no futuro, que referências a seguir e como vai ser feito o cálculo. "É uma matéria de alguma complexidade", concluiu.

A 9 de Dezembro foi aprovado um projecto sobre o acordo de mobilidade, cujo acordo final vai ser aprovado na Cimeira de Chefes de Estado e de Governo da CPLP, prevista para Luanda, este ano. A CPLP tem nove Estados-membros, Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

Notícias

8 de março de 2021
Momentos do acto comemorativo do 8 de Março, dia Internacional da Mulher.

3 de março de 2021
EXECUTIVO CLARIFICA LINHAS DA REVISÃO CONSTITUCIONAL

A proposta da revisão pontual da Constituição submetida hoje pelo Chefe de Estado angolano, João Lourenço, à Assembleia Nacional, visa preservar a estabilidade social, corresponder a realidade e aos desafios do desenvolvimento do país.


2 de março de 2021
Angola recebe primeiras vacinas

Angola recebeu hoje 624 mil doses da vacina AstraZeneca - Oxford do Instituto Sérum da Índia, no âmbito da iniciativa Covax, que visa assegurar a distribuição equitativa das vacinas contra a covid-19, em todo mundo.


2 de março de 2021
INTERVENÇÃO DO PR NA REUNIÃO DO CM

Íntegra da intervenção do Presidente da República de Angola, João Lourenço, feita hoje na abertura da 2ª Sessão Ordinária do Conselho de Ministro.

 


AngolaConsuladoServiçosComunicadosAudiências