Segunda-feira, 16 de Junho de 2018
menu
20 de dezembro de 2016

Ministro Archer Mangueira quer serviço tributário forte

Temos de fazer desta instituição uma referência no sector das Finanças Públicas e este é o nosso grande desafio, que gostaria que todos abraçássemos”, pediu o ministro Archer Mangueira, ao indicar como primeiro passo a missão de garantir que a sociedade entenda a razão de certas medidas a tomar e como implementá-las. O apelo de Archer Mangueira foi feito durante a sua primeira visita à sede do organismo tutelado pelo Ministério das Finanças. Após um breve encontro com o conselho de administração da AGT, o ministro visitou todas as áreas da instituição, nas quais recebeu explicações sobre o papel de cada uma delas na cadeia da organização. “Temos de nos ajustar ao novo paradigma económico e financeiro, que exige de todos os funcionários das finanças públicas uma nova postura”, afirmou o ministro num breve encontro com todos os colaboradores, feito no final de visita. Archer Mangueira explicou que pretende implementar uma gestão de proximidade com as entidades tuteladas pelo Ministério das Finanças, sendo a visita efectuada à AGT a primeira demonstração das muitas visitas que deve efectivar.

Archer Mangueira realçou a importância da avaliação de desempenho, enquanto instrumento de promoção de uma mudança da mentalidade, de reconhecimento do mérito e do reforço do compromisso com o Estado com a instituição, que deve marcar a actuação de todos os servidores públicos. “A avaliação de desempenho permite-nos avaliar todos os funcionários a todos os níveis, de modo que tenhamos as pessoas certas nos lugares certos. Temos de avaliar os técnicos, mas também quem dirige”, assegurou Archer Mangueira, que reiterou a importância da boa liderança para a melhoria da performance de uma instituição e do fornecimento do feedback diário. Ao referir-se à aprovação do Orçamento Geral do Estado de 2017, o ministro das Finanças falou do “papel importante” da AGT na execução desse principal instrumento do Ministério das Finanças. “Melhorar a arrecadação da receita não petrolífera significa que temos de desenvolver um conjunto de acções, que vão permitir que todas as actividades económicas estejam dentro do perímetro de cobrança”, sublinhou. Archer Mangueira reconheceu o quanto cresceu a AGT, como resultado da unificação de três importantes áreas das Finanças. “Cresceu de forma não uniforme e consolidada, mas, se não cuidarmos deste aspecto, não conseguimos que esta seja a instituição que cuida  de uma das premissas mais importantes do Orçamento Geral do Estado.”

Neste quadro, o ministro disse que há toda a necessidade de se fazer com que a organização não seja apenas grande, conforme a sua realidade actual, mas que trabalhe, para que se consolide. “Em lugar de termos apenas uma instituição grande, tenhamos também uma instituição forte”. Para isso, disse, são necessários quadros com qualidade. “Aqui há um enorme potencial e grande capacidade técnica, mas falta fazer com que a AGT seja uma escola de referência no Ministério das Finanças e no sector financeiro do país”, concluiu o ministro.

Notícias

15 de junho de 2018
Angola e Coreia do Sul acordam elevar cooperação parlamentar

As repúblicas de Angola e da Coreia do Sul acordaram elevar as relações bilaterais, na perspectiva de acompanhar a dinâmica da cooperação ao nível dos governos dos dois países do domínio parlamentar.


15 de junho de 2018
Empresas francesas atraídas pelo investimento em Angola

O interesse dos investidores franceses por Angola aumentou com a recente  deslocação do Presidente da República, João Lourenço, àquele país, o  que é traduzido com a presença de cerca de 150 empresas das mais  representativas do sector agrícola e industrial num  encontro organizado  em Paris pelo patronato, no qual se esperavam inicialmente 60  participantes.


15 de junho de 2018
A Língua Portuguesa em Nós” patente ao público em Luanda

A exposição “A Língua Portuguesa em Nós”, patente ao público desde  quarta-feira, no Centro Cultural Brasil-Angola, na Baixa de Luanda,  inclui actividades paralelas para todas as idades.


5 de junho de 2018
Estrangeiros estão convidados a concorrer nas privatizações

O Executivo está a preparar a privatização total ou parcial de  algumas grandes e médias empresas públicas já seleccionadas, incluindo  do sector petrolífero, das telecomunicações e outros, revelou ontem, em  Bruxelas, o Presidente João Lourenço.


AngolaConsuladoServiçosComunicadosAudiências
Audiências
x
*
*
*
*
*