Sexta-feira, 15 de Novembro de 2019
menu
22 de agosto de 2018

Países podem já recorrer ao banco do BRICS

O assunto foi abordado durante a mais recente cimeira do BRICS, em Joanesburgo, que contou com a presença dos presidentes de Angola, João Lourenço, e de Moçambique, Filipe Nyusi, dois países que procuram diversificar o seu acesso às fontes de financiamento para projectos de investimento. Luwellyn Landers, vice-ministro sul-africano das Relações Internacionais e Cooperação, afirmou que o Novo Banco de Desenvolvimento está disponível para financiar todos os países, incluindo os não membros do BRICS e, para tal, pode apoiar parcerias público-privadas, por meio de empréstimos, garantias, participações accionistas e outros instrumentos financeiros.

O vice-ministro sul-africano das Relações Internacionais e Cooperação notou que o departamento africano do NBD deve avaliar os projectos do continente. A África do Sul preside ao BRICS em 2018. Na cimeira de Joanesburgo, o Novo Banco de Desenvolvimento aprovou dois projectos, um para a África do Sul e outro para a China, ambos com empréstimos no valor agregado de 600 milhões de dólares, além de ter reunido com o Conselho Empresarial do BRICS.

O NDB deve fazer um empréstimo de 300 milhões de dólares ao Banco de Desenvolvimento da África do Sul (DBSA - Development Bank of Southern Africa), sem garantia soberana, para um projecto de redução de emissões de gases de efeito estufa e desenvolvimento do sector energético, e outro empréstimo de igual montante para um projecto na China, de construção do metro de Luoyang.

Com a aprovação dos dois novos projectos, o portfólio de empréstimos do banco subiu para 23 projectos, no valor agregado de 5,7 mil milhões de dólares, grande parte para financiamento de energia e infra-estruturas. Segundo o presidente do NDB, K.V. Kamath, até ao final deste ano as anuências totais devem atingir cerca de 7,5 mil milhões de dólares. “A nossa orientação é a de financiar infra-estrutura convencional, bem como utilizar tecnologias transformadoras ao serviço do desenvolvimento. Além do conjunto tradicional de produtos de concessão de crédito, começaremos a oferecer produtos financeiros não relacionados a financiamentos.”

 

Notícias

3 de maio de 2019
Actual reforma da justiça é a mais profunda da história do país - Rui Ferreira

A reforma que está a ser operada no sector da justiça em Angola é a mais profunda, desde a data da independência nacional (11 de Novembro de 1975), na organização do poder judicial do Estado, mormente dos tribunais que integram a sua jurisdição.


3 de maio de 2019
Ministro reitera compromisso de uma imprensa mais plural

O ministro da comunicação social, João Melo, reiterou, ser compromisso do seu pelouro continuar a criar condições para um sistema de comunicação livre, plural, aberto, sério, credível e diversificado.


3 de maio de 2019
PR desloca-se ao Namibe e Cunene

Luanda - O Presidente da República, João Lourenço, desloca-se sexta-feira (3), em visitas de trabalho, às províncias do Namibe e Cunene.


22 de agosto de 2018
Fórum económico entusiasma alemãs

Empresários alemães estão entusiasmados em participar no fórum  económico, a ser aberto hoje pelo Presidente João Lourenço, afirmou  ontem, em Berlim, o ministro das Relações Exteriores.


AngolaConsuladoServiçosComunicadosAudiências